News

Paraná tem 7 produtos com selo de indicação geográfica, que impede produção em outras regiões do Brasil

abpi.empauta.com Brasília, 15 de março de 2020 G1 - Globo | BR Marco regulatório | INPI - 18/03/2020
O Melado de Capanema, produzido no oeste do estado,
foi o último a receber o reconhecimento, em dezembro.
Selo emitido pelo INPI impede reprodução
de produtos típicos.
Indicação geográfica traz reconhecimento a produtos
paranaenses (parte 1).

O Paraná tem sete produtos com indicação geográfica
reconhecidos pelo Instituto Nacional da Propriedade
Industrial (INPI) e protegido pelas leis de
propriedade e direitos industriais.O selo impede a reprodução
de produtos típicos em outras regiões do
Brasil.


Os produtos paranaenses com selo de indicação geográfica
são:

O Melado de Capanema, produzido no sudoeste do
Paraná, foi o último a receber reconhecimento, em
dezembro de 2019.A tradição vem de família e passa
de geração para geração.

Os produtores garantem que o relevo, o clima e a proximidade
com o Rio Iguaçu fazem com que a cana-de-açucar
seja saborosa e ideal para a produção do melado.

Nas fábricas, os empresários estão investindo na ampliação
e modernização dos equipamentos. A expectativa
é que o reconhecimento da indicação
geográfica aumente a procura e as vendas do Melado
de Capanema.

Melado de Capanema recebeu selo do INPI em dezembro
de 2019 - Foto: Dilson Rodrigues/RPC Foz
do Iguaçu

Colônia Witmarsun

Indicação geográfica traz reconhecimento a produtos
paranaenses (parte 2)
Na Colônia Witmarsun, em Palmeira, nos Campos
Gerais do Paraná, dois tipos de queijo ganharam o selo.

Segundo o mestre queijeiro Aldecir Isbrecht, o grande
segredo para a produção do queijo está na qualidade
do leite. No caso do Queijo de Witmarsun,
todo o leite é produzido na própria Colônia.
"Eusempre brinco quecom umleite bomagente consegue
fazer um queijo ruim, mas com um leite ruim
não se consegue fazer um queijo bom", disse.
Queijo de Witmarsun foi o primeiro do Brasil a receber
o selo - Foto: Valdecir Galvan/RPC Ponta
Grossa.

Goiaba de Carlópolis
Indicação geográfica traz reconhecimento a produtos
paranaenses (parte 3)

Com tamanho maior e textura mais firme, a Goiaba
de Carlópolis demora mais tempo para estragar depois
da colheita. No campo, o cuidado é redobrado.
Todas as frutas são envolvidas em um plástico para
proteção contra pragas.

A agrônoma Luiza Rocha Ribeiro disse que os produtores
produtores
participaram de feiras internacionais e iniciaram
a exportação da fruta para vários mercados,
principalmente da Europa.

"A indicação geográfica trouxe uma visibilidade
não somente do mercado interno, mas também do
mercado externo. Tanto que vocês estão aqui hoje,
porque a goiaba ficou famosa", brincou.
Goiaba de Carlópolis é exportada para Europa - Foto:
Marcelino Barbosa/RPC Londrina
Na fila
Outros produtos paranaenses ainda estão na fila para
ganhar o reconhecimento da indicação geográfica.
Quatro são do litoral: a Cachaça de Morretes, a Bala
de Banana de Antonina e o Barreado e a Farinha de
Mandioca do Litoral.

Fonte: abpi.empauta.com Brasília, 15 de março de 2020 G1 - Globo | BR Marco regulatório | INPI
Telefone: +55 (19) 3294-0380 / Fax: +55 (19) 3295-6527
Av. Cláudio Celestino T. Soares, 470 • CEP 13100-015 • Campinas / São Paulo • Brasil
> Mapa de Localização